Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
América do Sul, Araucanía, Chile

VILLARRICA TRAVERSE – a extraordinária travessia no Sul do Chile

 

No verão de 2021 nós, Paula e Ramon, tivemos mais uma temporada na Patagônia, nosso lugar preferido do planeta. Devido às restrições da pandemia do coronavírus, nossa 8ª viagem sabática foi uma jornada tímida de 2 meses percorrendo as trilhas próximas de Pucón, no Chile.

No 23º dia de nossa viagem, depois de conhecermos o Colmillo Del Diablo, exploramos a Villarrica Traverse, uma bela travessia do Parque Nacional Villarrica, que percorre desde o Centro de Ski de Pucón, até Puesco, em Curarrehue.

O Parque Nacional Villarrica se encontra no Sul do Chile, nas comunas de Villarrica, Pucón, Curarrehue e Panguipulli. Sendo Pucón a principal cidade para receber os turistas. Sua atração mais famosa é, sem dúvidas, o vulcão Villarrica, característico por seus 2.847 metros de altura e por ser um dos mais ativos da América do Sul. Além do vulcão Villarrica, o parque também engloba os vulcões Lanín, Quetrupillán e Quinquilil.

As principais trilhas do parque são:

  • Mirador Los Cráteres
  • Sendero de Chile tramo Challupén-Chinay
  • Glaciar Pichillancahue
  • Volcán Quinquilil / Colmillo del Diablo
  • Lagos Andinos
  • Villarrica Traverse

Neste relato detalhamos nossa caminhada pela Villarrica Traverse.

Você também pode ver esta trilha no YouTube:


Menu do post

  1. Resumo
  2. Clima
  3. Como chegamos
  4. Relato da trilha
  5. Observações
  6. Custos
  7. Outras fontes
  8. Dados sabáticos
  9. Valeu?

Resumo

  • País: Chile
  • Região: Araucanía
  • Comunas: Pucón, Curarrehue
  • Início: centro de ski de Pucón
  • Fim: Camino Internacional 199, Conaf Puesco
  • Distância total: 90 km (75 km de travessia + alguns desvios)
  • Duração: 7 dias (5 dias são suficientes)
  • Período: início de janeiro de 2021
  • Tracklog: Wikiloc
  • Previsão do tempo: Windguru

Segue o nosso percurso no mapa e o perfil de elevação.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
elevação da Villarrica Traverse

Clique aqui para voltar ao menu.


Clima

Na minha opinião, a melhor época para caminhar pelas trilhas desta região é entre janeiro a meados de abril, quando não há neve e as temperaturas estão mais agradáveis. Dependendo da quantidade de neve gerada no inverno de cada ano, é possível encontrar neve nas montanhas em dezembro, tornando a caminhada em trilhas lenta, difícil e/ou perigosa. Em maio a temperatura cai bastante e a neve ressurge no cenário.

Vale observar que em janeiro é quando tudo fica lotadíssimo, principalmente nas cidades. Se não gostar da multidão, tente evitar a região próximo a esse período.

Deixo aqui o link da previsão do tempo na Laguna Azul: Windguru.

Para você ter uma ideia, abaixo segue um histórico do clima durante o ano em Pucón (fonte MSN).

Mês Temperatura média (ºC) Precipitação máx. (mm)
Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro
13 a 25
13 a 26
12 a 23
9 a 18
7 a 13
5 a 10
4 a 10
4 a 11
5 a 13
6 a 16
7 a 19
10 a 22
34
31
43
69
105
165
133
130
90
74
45
46

Clique aqui para voltar ao menu.


Como chegamos

Em dezembro de 2020, começamos nossa 8ª viagem sabática pelo aeroporto de Santiago, capital do Chile. Depois de uma noite na grande metrópole, partimos de ônibus para Pucón em uma longa viagem rodoviária de 11 horas.

Ficamos 1 mês na região de Pucón explorando as trilhas arredores e tentando ver o nublado Eclipse Solar Total de 2020. Durante toda a viagem, a principal trilha que fizemos foi a Villarrica Traverse, no Parque Nacional Villarrica. Fizemos esta travessia no sentido: Centro de Ski a Puesco.

Para chegar até o Centro de Ski de Pucón, pagamos um táxi no centro de Pucón e depois de 45 minutos chegamos no início da trilha. Infelizmente não há opção de ônibus, mas parece que há alguns transfers que vão até o Centro de Ski. Como nós fomos no final de tarde, a única opção que encontramos foi o táxi.

Antes de chegarmos no centro de Ski, passamos pela portaria do Parque Nacional Villarrica, onde deve-se parar e pagar a entrada do parque. No nosso caso, quando passamos pela portaria já eram por volta das 18 horas e o guarda-parque já havia ido embora. Então deixamos para pagar o parque no final da travessia, quando encontramos novamente um guarda-parque.

Clique aqui para voltar ao menu.


Relato

Fizemos a caminhada em 6 noites e 7 dias, como segue:

  1. Centro de Ski → Zanjón Voipir
  2. Zanjón Voipir → Estero Tralco
  3. Estero Tralco → Conaf Quetrupillán
  4. Conaf Quetrupillán → rio Palgulil
  5. rio Palgulil → Laguna Blanca
  6. Laguna Blanca → Laguna Las Avutardas
  7. Laguna Las Avutardas → Conaf Puesco

Dia 1: Centro de Ski → Zanjón Voipir

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
5 km
2 horas
260 metros
270 metros
1570 metros

Algo bem legal de Pucón é que o vulcão Villarrica é visível desde a cidade. O centro de ski, que é onde começa a trilha, é praticamente a base do Villarrica.

Começamos a caminhar tarde, por volta das 17:30. Quando passamos pelo guarda-parque não havia mais ninguém. Seguimos assim mesmo.

O primeiro trecho da travessia é o Sendero Challupén-Chinay, uma trilha que contorna a base do vulcão Villarrica. Ficamos neste trecho por 3 dias.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Sendero Challupén-Chinay

Era uma noite bem ventosa. A princípio planejamos caminhar pouco e acampar no primeiro lugar que encontrássemos. Seguimos contornando a base do vulcão passando por alguns trechos, conhecidos no Chile como Zanjón. Zanjón é uma vala de terreno pedregoso, onde pode haver um córrego de água. As pedras são na verdade a lava do vulcão petrificada. Neste dia passamos pelos Zanjón Correntoso e Zanjón Molco.

Passamos por alguns lugares bons para armar a barraca, mas por algum motivo seguimos. Começou a anoitecer. E para ajudar eu caí. Tropecei e quase bati a cara no chão. Minhas mãos impediram que meu rosto se esbafetasse no solo. Com a mochila pesada nas costas, não conseguia me levantar. E com o vento a todo vapor, o Ramon não me escutava. Tive que tirar as mochilas para conseguir me levantar, e seguir caminhando.

Quando passamos por um pequeno bosque, encontramos um lugar perfeito para colocar nossa barraca. Bem abrigado, plano e solo quase liso. Só faltou água. Mas como ainda tínhamos água em nossas garrafas, e estava quase noite, ficamos por lá mesmo. Faltavam uns 500 metros para o próximo Zanjón, o Zanjón Voipir.

A minha mão esquerda estava doendo muito. Provavelmente ela segurou todo o peso do meu corpo e da minha mochila, durante a minha queda. Fui dormir bem preocupada, com a mão latejando de dor.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 2: Zanjón Voipir → Estero Tralco

distância
tempo sem paradas
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
15 km
5 horas
900 metros
1000 metros
1550 metros

Acordamos em um dia ensolarado e sem nuvens. Minha mão continuava doendo, mas estava bem melhorzinha. A paisagem estava muito bonita com o vulcão Villarrica presente ao nosso lado.

Logo chegamos no Zanjón Voipir, coletamos água e tomamos nosso café da manhã. A caminhada é parecida com o dia anterior, passando por terrenos pedregosos de origem vulcânica, e alguns bosques. Neste dia vimos as primeiras araucárias.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Zanjón Voipir no Parque Nacional Villarrica

No Zanjón Pino Huacho pegamos mais um pouco de água. Neste Zanjón há até uma torneira para a coleta de água.

Villarrica Traverse
Zanjón Pino Huacho

Passamos por mais um bosque, e chegamos no Zanjón Challupén. A trilha seguia pelo Zanjón em um terreno não muito amigável, onde aparentemente eu teria que usar as mãos para subir um trecho. Como minha mão esquerda continuava dolorida, eu não teria condições de fazer qualquer escalaminhada. Então vimos no MapsMe que havia um desvio dentro do bosque, que acrescentaria 1,5 km de caminhada. Fizemos esse desvio, e encontramos uma linda árvore de flores vermelhas, nos convidando para uma foto com o vulcão.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Vulcão Villarrica e flores vermelhas

Ouvimos uns quatro helicópteros sobrevoando o parque naquele dia. Acredito que aquela área deva fazer parte de alguma rota aérea.

Passamos por vários riachos, conhecidos como Esteros. No Estero Ñilfe havia uma vista do duplo vulcão Choshuenco/Mocho e um bom lugar para acampar.

Villarrica Traverse
duplo vulcão Choshuenco/Mocho ao fundo

Depois do Estero Ñilfe começa o Valle del Fuego, uma área de escoriales. Escorial é um terreno composto por lava petrificada.

Villarrica Traverse
solo do Valle del Fuego

Para não dizer que não vimos nenhum animal durante a travessia, vimos meia dúzia de vacas pastando no gramado.

Villarrica Traverse
Vacas pastando no Parque Nacional Villarrica

A trilha segue até um Portezuelo onde vimos o Vulcão Lanín pela primeira vez. O vulcão Lanín está na fronteira com Argentina, e com seus 3.747 metros de altitude é o mais alto de toda a zona. Durante toda a travessia vamos perseguir o Lanín, e chegar bem próximo dele no final.

Villarrica Traverse
primeira vista do Vulcão Lanín (à esquerda)

Passamos por mais um Zanjón, o Zanjón de Coñaripe. Nesta vala passou, durante a erupção de 1964, uma violenta lava que destruiu parte do povoado de mesmo nome, matando 20 de seus habitantes.

Villarrica Traverse
Zanjón de Coñaripe

Era reveillón de 2020/2021 e ainda havia alguns trechos de neve durante a travessia.

Villarrica Traverse
neve durante a Villarrica Traverse

Acampamos a 500 metros antes do Estero Tralco. Encontramos um bonito lugar, porém sem sombras. De nossa barraca víamos de um lado o vulcão Villarrica, e do outro lado os vulcões Lanín e Quetrupillán.

Villarrica Traverse
Vulcão Lanín

No nosso lado corria um pequeno córrego, proveniente do derretimento de uma geleira.

Villarrica Traverse
acampando próximo do Estero Tralco com o vulcão Villarrica à direita

A noite foi bem agradável e sem ventos.

clique aqui para voltar ao menu.

Dia 3: Estero Tralco → Conaf Quetrupillán

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
16 km
5h30min
690 metros
1160 metros
1520 metros

Um mar de nuvens nos acompanhou nas primeiras horas do dia, fazendo um belo cenário com o vulcão duplo Mocho/Choshuenco.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
mar de nuvens e o vulcão duplo Mocho/Choshuenco

Após o Estero Tralco, vamos deixando aos poucos o vulcão Villarrica para trás. E passamos por mais um Escorial, o Escorial de Catricheo.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Vulcão Villarrica ficando para trás

Aproximadamente 2 km após o Estero Tralco, passamos por uma grande pedra no meio da trilha conhecida como Piedra de La Junta. A pedra em si não tem nada demais, mas o local nos proporcionou mais uma bela paisagem.

Villarrica Traverse
Piedra de La Junta

Fizemos uma parada no farto Estero Aihue para fazer um suco e prosseguimos. O Sol reinava no céu.

Depois de passarmos pelo Estero Aihue vimos quase uma miragem, meia duzia de araucárias fornecia uma refrescante sombra. Desde ontem não víamos uma sombra. Não podíamos ignorar, e paramos mais uma vez para refrescar a cuca.

Ainda não falei nada por aqui, mas era verão e umas moscas chamadas de tábanos infernizavam a vida. E se deixar, elas dão uma picada bem doída, em cima da roupa mesmo. Mas percebemos que quando estávamos deitados no solo, elas não pousavam em nós. Talvez não sabem dar um rasante. Sabendo disso, estendemos nosso piso da barraca e ficamos ali, deitados olhando para a copa das árvores. Momento de muita paz. Pelo que pesquisei em algum lugar na web, este setor também é conhecido como Champulli.

Depois das araucárias, a trilha fica um pouco mais esverdeada, e enfeitada com flores vermelhas.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
trilha mais esverdeada

Passamos mais um ponto de água e depois há uma intersecção na trilha, com uma saída para o Mirador Los Volcanes. Acabamos não indo neste mirante. Mas vimos algo interessante no MapsMe: após o mirante a trilha segue até o Glaciar Pichillancahue e termina na estrada T-941-S. Uma exploração para outra oportunidade.

Após a intersecção, a trilha muda de nome e passa a se chamar Sendero Mirador los Volcanes. Seguimos descendo entrando em um bosque de lengas. Foi uma descida longa, empinada e chata. Descemos até a margem do rio Pichillancahue. A água deste rio é proveniente do glaciar de mesmo nome. Cruzamos uma ponte e depois de alguns metros encontramos uma boa área para acampamento. Aproveitamos o solo, a água e a sombra para lancharmos e descansarmos.

Villarrica Traverse
Rio Pichillancahue

O Sendero Mirador Los Volcanes termina na estrada T-941-S, que liga Coñaripe à Palguín. É uma estrada de terra bem ruinzinha. Não entendo muito de carro, mas com certeza é necessário um 4×4 para dirigir por lá.

Villarrica Traverse
pequeno trecho na estrada de terra/ripio

Caminhamos pela estrada, o que foi a parte chata de toda a travessia. Foram 6 km de chatice, passando pela entrada do Sendero Pichillancahue, que vai até o glaciar de mesmo nome. Para ir até o glaciar teríamos que acrescentar 8,5 km ida-e-volta.

Como já visitamos este glaciar em anos anteriores, o ignoramos e continuamos na estrada. Passamos pelo posto da Conaf e alguns carros passaram por nós. Nas três vezes que Ramon já passou por esta casinha da Conaf, onde o guarda-parque deveria estar, ela sempre estava fechada e sem ninguém. E desta vez não foi diferente.

Caminhamos pela estradinha, paralela ao rio Chinay, até um lugar que parece um estacionamento. Havia um lugar abrigado e amplo para acampar. E foi lá que descansamos nesta noite.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 4: Conaf Quetrupillán → base Quetrupillán

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
12 km
5h30min
1360 metros
760 metros
1760 metros

A manhã estava bem fria, mas com a subidinha matinal logo aquecemos nossos corpos.

Voltamos 500 metros na estrada T-941-S até a casinha da Conaf. E entramos no Sendero Los Venados. Esta trilha terminará somente no dia seguinte, na Laguna Azul.

No começo do Sendero Los Venados cruzamos o rio Chinay, o mesmo rio onde acampamos na noite anterior. Encontramos uma área de acampamento próxima. Se soubéssemos, seria uma boa alternativa para termos passado a noite.

Logo depois do rio, começamos a subida para o Cerro Los Pinos. Boa parte foi dentro do bosque. Alguma paisagem aparecia quando as árvores davam uma trégua. É possível ver os vales Pichillancahue, Palguín Alto e vulcão Villarrica.

Villarrica Traverse
vista subindo o Cerro Los Pinos

No meio da floresta uma placa indicava que haveria água 20 metros abaixo, saindo da trilha. É um dos poucos pontos de água neste trecho. Sugiro não ignorá-lo.

Conforme subíamos, a paisagem crescia entre um bosque e outro, até que as árvores ficam para trás. Chegamos a avistar o vulcão Llaima no horizonte.

Villarrica Traverse
subindo o Cerro Los Pinos com o vulcão Villarrica atrás

E enfim chegamos no mirador Cerro Los Pinos. O cume ficava bem pertinho, mas a paisagem do mirador refletia muito bem o que veríamos no cume. O vulcão Villarrica de um lado, o Quetrupillán do outro, e o Cerro Los Pinos no meio. Também era possível ver os vulcões Llaima, Tolhuaca, Lonquimay e Lanín. Desde nosso acampamento da noite anterior, foram 6 km e um desnível de 790 metros.

Villarrica Traverse
Cerro Los Pinos com vista para Quetrupillán e Lanín

Continuamos caminhando na crista da montanha com as belas paisagens nos acompanhando. Passamos em algumas pequenas moitas. Foi neste ponto que encontramos outros humanos na trilha. Era um casal fazendo a travessia no sentido contrário. Depois deles havia mais 5 pessoas. Acho que éramos somente nós, 9 pessoas, fazendo a travessia naquela virada de ano.

Villarrica Traverse
casal no topo do morro após o Cerro Los Pinos

Continuamos a caminhar com o objetivo de chegarmos em uma área de camping na base do Quetrupillán ao lado de uma cachoeira, que vimos no Maps.Me.

Fomos descendo a montanha, entramos em um bosque e passamos em uma bifurcação onde o Sendero Los Venados encontra a trilha Estero Mocho. Esta trilha segue em direção à Palguín.

Saímos do bosque, e então vimos um local perfeito para acampar. Piso batido e plano, protegido por árvores. Na frente, dois córregos de água se juntavam em um só. Tudo isso com vista para o Quetrupillán.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Quetrupillán visto de nosso acampamento

Estávamos muito cansados e sem pestanejar ficamos por lá. Para nossa surpresa, em um dos córregos corria água morna. Apesar de cansados, aproveitamos a oportunidade e coletamos água morna para lavarmos nossas roupas em um saquinho plástico, que serviu como balde, e também tomamos um delicioso banho de garrafinha.

Villarrica Traverse
nosso cantinho desta noite

Por volta das 19 horas, dois corredores passaram por nós. Provavelmente fizeram cume no Quetrupillán.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 5: base Quetrupillán → Laguna Blanca

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
13 km
5 horas
740 metros
680 metros
1920 metros

Confirmamos que a água morna do córrego foi aquecida, no dia anterior, pelo calor do Sol. Logo cedo a água estava bem fria.

Villarrica Traverse
seguindo pelo Sendero Los Venados

Algumas pessoas aproveitam que estão próximas do Quetrupillán, e adicionam um dia na travessia para fazer cume neste vulcão. Nós decidimos deixar essa montanha para outra oportunidade.

Continuamos no Sendero Los Venados contornando o Quetrupillán. Depois de 2 km chegamos na área de acampamento que o MapsMe denomina “Volcán Quetrupillán”. É uma área com muita água, sem sombras e sem vista para o vulcão. Nosso acampamento foi, sem dúvidas, bem melhor. Neste lugar há uma saída da travessia pelo Sendero Colonia Benavides, que conecta com o caminho veicular Palguín – Coñaripe, próximo das Termas de Rincón. Ignoramos essa saída e seguimos.

Na última subida até a Laguna Azul, encontramos umas sete pessoas descendo. Era domingo e provavelmente eles passaram o final de semana curtindo a Laguna Azul.

Villarrica Traverse
indo para a Laguna Azul

Ao contornarmos a Laguna Azul por cima, tivemos uma das mais belas vistas da travessia. Uma grande lagoa bem azulada, com o Vulcão Villarrica de um lado e o Vulcão Lanín do outro. Eram três gigantes de uma vez. Este é o ponto mais alto da travessia. Nosso GPS marcou 1920 metros de altitude.

Villarrica Traverse
Laguna Azul

Durante a descida à Laguna Azul o vulcão Lanín ficava cada vez mais impressionante.

Villarrica Traverse
vista do Vulcão Lanín durante a descida para a Laguna Azul

Conforme nos aproximamos da Laguna Azul, vimos duas motos saindo dela. Há um acesso rápido e fácil para o Valle de Liquiñe, onde há alguns povoados.

Descemos para a Laguna Azul, onde termina o Sendero Los Venados e começa o Sendero Las Avutardas. Lá, havia uma boa área de acampamento e quatro pessoas desmontando suas barracas. A pescaria foi boa, vimos uns seis peixes sendo levados pelos locais. Na Laguna Azul passa também o setor 16 da Greater Patagonian Trail.

Villarrica Traverse
Laguna Azul

Da área de acampamento, a laguna até parece sem graça. Parece pequena e não tem vista para os vulcões. O excesso de papel higiênico jogado arredores também contribuiu para deixar a belíssima laguna menos atrativa.

Villarrica Traverse
Laguna Azul vista da área de camping

Seguimos pelo Sendero Las Avutardas e passamos por um escorial com pedaços de lavas petrificadas bem grandes, as maiores que vi na travessia.

Villarrica Traverse
Escorial após a Laguna Azul

Após o escorial, caminhamos sobre alguns trechos de neve sem inclinação, o que facilita bastante. O grande problema de caminhar na neve é quando o solo é muito inclinado.

Depois veio um pedaço da trilha, onde tivemos que cruzar várias vertentes de um rio. Pulando em uma pedra aqui, e outra acolá, não tiramos nossas botas e nossos pés saíram secos.

Subimos um morro, e vimos a bela Laguna Blanca. Reconhecemos sua água leitosa que provavelmente deu origem ao nome da lagoa.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
Laguna Blanca

Um pouco antes de chegarmos na Laguna Blanca, uma água geladíssima escorria de um neveiro. Aproveitamos para coletar água suficiente para beber e cozinhar até o dia seguinte.

A água da Laguna Blanca é bem turva e esbranquiçada. O Ramon tentou entrar nela, mas o solo parecia areia movediça. O lugar é belíssimo, o acampamento mais bonito de nossa travessia. A noite estava super agradável. Pouco fria e sem ventos. A Laguna é bem grande, com rochas escuras adentrando na água esbranquiçada, formando um cenário diferenciado e bonito.

Villarrica Traverse
nosso acampamento na Laguna Blanca

Ao lado da laguna, uma montanha com cores variando entre vermelho, marrom e verde era um charme a mais.

Villarrica Traverse
montanha ao lado da Laguna Blanca

Há um bom trecho de praia, onde é possível armar a barraca. Mas vimos somente dois lugares mais abrigados do vento, com paredes de pedras empilhadas para proteção. Não havia nenhum pingo de sombra em toda a extensão da Laguna Blanca. Havia somente areia e rochas.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 6: Laguna Blanca → Laguna Las Avutardas

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
15 km
5 horas
660 metros
790 metros
1840 metros

O amanhecer na Laguna Blanca foi bem ventoso. Saímos de nosso acampamento e seguimos em direção à Puesco, passando pela Cratera El Fuentón.

Villarrica Traverse
Cratera El Fuentón

Durante o contorno da cratera, havia um pequeno desvio para um mirante. Fomos conhecê-lo. Deu para ver a pontinha do Colmillo Del Diablo, um outro vulcão do Parque Nacional Villarrica. A paisagem é bonita, mas nada demais. Não valeu a pena os acréscimos de 3 km ida-e-volta.

Villarrica Traverse
uma pontinha do Colmillo del Diablo vista do mirante

Neste dia passamos um pequeno trecho de 1,5 km por território argentino, no Parque Nacional Lanín. O trecho é tão curto, que não havia nenhuma indicação que estávamos cruzando uma fronteira.

Seguimos pela última subida do Sendero Las Avutardas, com uma boa vista para o Lanín, Colmillo del Diablo e Cerro Las Peinetas.

Villarrica Traverse
descendo com vista para o Vulcão Lanín

Os piores momentos com a neve aconteceram neste dia, devido ao declive do solo. O primeiro trecho chato com neve foi durante a descida, já em território chileno novamente. Quando percebemos que era seguro, escorregamos de ski-bunda para agilizar a descida.

Depois passamos por uma área com muita água proveniente do derretimento de geleiras.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
área alagada com o Colmillo Del Diablo e Cerro Las Peinetas ao fundo

Os córregos de água com o terreno inclinado se tornavam pequenas quedas d’água.

vi
pequenas quedas d’água

Paramos para lanchar em um acampamento com vista para o vulcão Lanín e com fácil acesso à um farto riacho, que corria na frente do local. Muito boa a área de acampamento, e bem abrigada do vento. No MapsMe este local está descrito como “Volcano View“.

Depois da parada para o lanche, entramos na descida final da travessia. Boa parte foi dentro do bosque, e com neve ladeira abaixo. Este foi o pior trecho de neve da travessia. Foi um pouco suado, mas nos agarramos em galhos para não escorregar e deu tudo certo.

Logo avistamos a Laguna Las Avutardas, cercada por um bosque e com o Vulcão Lanín ao fundo.

Patagonia_Chile_Pucon_Parque Nacional Villarrica
vista para Laguna Las Avutardas e vulcão Lanín

Seguimos descendo pelo bosque, passamos por um terreno alagado e chegamos na Laguna. Há uma pequena praia de areia, e no lado oposto uma montanha. A água desta lagoa é cristalina, e seu banho é bem agradável. Mas é recomendável filtrar a água para beber, pois sempre vem com uma “sujeirinha”.

Acampamos a dez metros da laguna, em um gramado atrás dos arbustos.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 7: Laguna Las Avutardas → Conaf Puesco

Distância
Tempo sem paradas
Subida acumulada
Descida acumulada
Altitude máxima
14 km
5 horas
690 metros
1380 metros
1440 metros

Acordei com a barraca ensopada, por dentro e por fora. Acampamos em um gramado, sem proteção de árvores. Estava tudo condensado.

Fui até a laguna, e ela estava um pouco espelhada com uma névoa saindo dela. Dois patinhos passeavam por lá.

Preguiçosos, arrumamos nossas coisas sem pressa. Estávamos a 9 km do final da travessia e sabíamos que havia um camping privado e uma cafeteria nos aguardando.

A trilha continua dentro do bosque, bem demarcada, com um pouco de lama e uma rápida paisagem para o extinto vulcão Quinquilil, também conhecido como Colmillo del Diablo.

Continuamos em pequenos sobe-e-desce, mais desce que sobe, até chegarmos no cruzamento das trilhas entre a Laguna Las Avutardas e o vulcão Quinquilil. A partir deste ponto, seguimos 3 km em direção à Puesco em uma trilha bem larga por onde vimos marcas de pneus.

Ao chegarmos no final da travessia uma surpresa. Um microônibus e duas vans deixavam uma galera de jovens. Ramon tentou correr atrás para ver se conseguia uma carona, mas não deu tempo. Em segundos uns 30 garotos sumiram trilha adentro e as vans partiam pela estrada.

Para nossa infelicidade não havia ninguém no camping e a cafeteria estava fechada. E a gente achando que iria relaxar no final da trilha…

Contávamos com a cafeteria e o camping, para talvez explorarmos o Sendero Lagunas Andinas, que fica pertinho de lá. Mas sem a comida extra da cafeteria, decidimos ir embora.

Por conta da pandemia, a fronteira entre Chile e Argentina estava fechada, e o fluxo de carros naquele Caminho Internacional era nulo. Não contávamos com carona. Transporte público também era escasso. Parece que há um ônibus que passa em Puesco, mas algumas pessoas nos havia alertado que ele não estava circulando.

Estávamos a 26 km de Curarrehue, a cidade mais próxima. O plano naquele momento era caminhar por dois dias, parando em algum camping privado no caminho. Isso se encontrarmos camping aberto…

Então continuamos nossa jornada. Na frente do camping e no outro lado da rodovia, há uma trilha de 2 km que, segundo o MapsMe vai até o guarda-parque. Fomos procurar a tal trilha, e encontramos um mirante para uma gigante queda d’água.

Villarrica Traverse
mirante de uma cachoeira próxima do camping Villarrica Traverse

Foi bem difícil de encontrar a trilha que nos levaria até o guarda-parque. Persistimos no trajeto mapeado no MapsMe, até que visualizamos o caminho. Esta trilha é muito mal demarcada, poucas pessoas a usam e não há manutenção. Há muita vegetação espinhosa no caminho e muitas vezes a trilha some. Em um momento saímos um pouco da rota, e sofremos em um vara-mato chato. Mas no final chegamos em uma cerca de arame farpado. Passamos por baixo da cerca, e saímos na rodovia asfaltada super quente.

Passamos em frente da Conaf, e os guarda-parques nos chamaram. Perguntaram como estava a travessia. Acho que fomos uns dos primeiros a completá-la naquele verão. Como no começo da travessia não passamos na Conaf, nos cobraram a entrada de $CLP 8000 cada um. Vale observar que o preço para a travessia é mais caro que um day-use, que custa $CLP 3600.

E para nossa alegria, o chefe dos guardas-parques nos deu uma carona até Pucón. Terminamos essa incrível travessia com chave de ouro!

Clique aqui para voltar ao menu.


Observações

  • Há uma cafeteira e um camping privado no final da Villarrica Traverse. É uma boa opção como apoio no final da trilha, isso se o camping estiver aberto…
  • No final de dezembro de 2020, esta travessia estava fechada pelo guarda-parque devido ao excesso de neve. É mais seguro se planejar para a Villarrica Traverse entre janeiro e abril.
  • Adicionando mais três dias na travessia, é possível conhecer o glaciar Pichillancahue, cume do Vulcão Quetrupillán  e o mirador Quinquilil (Colmillo Del Diablo). Haja comida para carregar…
  • Durante o Sendero Challupén-Chinay também é possível ir até o mirante Glaciar Voipir, acrescentando 5 km ida-e-volta. Infelizmente percebi sobre esta possibilidade somente depois que terminamos a travessia.
  • No reveillón de 2020/21, observei que havia muitos locais acampando na Laguna Azul. Sugiro tentar evitar essa laguna nos finais de semana.
  • A trilha é bem demarcada. Há placas e algumas estacas vermelhas indicando o caminho. Em alguns momentos consultamos o GPS para termos certeza que estávamos na rota certa. Como não custa nada, sempre é bom baixar um tracklog no celular, só para garantir. Deixo aqui o link de nosso tracklog: Wikiloc.
  • Não se esqueça de levar dinheiro físico para pagar a entrada do parque.
  • Caso queira se aventurar nesse destino, te desejo boa sorte, ou bons ventos como estão dizendo por aí ultimamente. Lembrando que cada um tem que se auto-avaliar para entender se tem condições físicas, psicológicas e técnicas para se enfiar na natureza. O que é fácil e divertido para alguns, pode ser um grande desafio e chato para outros.

Clique aqui para voltar ao menu.


Custos

Seguem alguns custos em pesos chilenos (CLP) e equivalentes em reais (BRL), conforme o câmbio local e preço da época (dezembro de 2020).

  • Comida para trilha, mercado em Pucón, média diária individual: $CLP 3.967 ($BRL 22)
  • Cafezinho, em Pucón: $CLP 1.000 ($BRL 6)
  • Táxi, do centro de Pucón até o Centro de Ski: $CLP 20.000 ($BRL 113)
  • Entrada da Villarrica Traverse, no Parque Nacional Villarrica, individual: $CLP 8.000 ($BRL 45)
  • Hostal Kutralwe, em Pucón, diária casal, quarto com banheiro privado e cozinha compartilhada: $CLP 19.000 ($BRL 107)
  • Refeição em restaurante, em Pucón, almoço individual com refrigerante: $CLP 13.400 ($BRL 76)
  • Comida para cozinhar no Hostal, comprada em mercado em Pucón, 1 café da manhã e 1 jantar, individual: $CLP 7.830 ($BRL 44)

Cotação comercial em 01/01/2021:
$USD 1,00 = $BRL 5,19 = $CLP 709,75

Clique aqui para voltar ao menu.


Outras fontes

Está fazendo uma pesquisa para sua viagem? Sempre é bom ler mais de um website. Deixo abaixo alguns links que encontrei sobre a Villarrica Traverse.

CONAF

Aventurebox – Peter Tofte / Da casa dos espiritos ate puesco – travessia pn vilarrica

Villarrica | Ricardo Feres Outdoor Photography

Villarrica Traverse – Wikiexplora


Dados sabáticos até aqui

6440 km trilhados
155 cidades
8 países
3 anos e 7 meses

Clique aqui para voltar ao menu.


Este post vale 1 real?

Nos ajude a pagar a hospedagem deste site e mantê-lo vivo.

Qualquer doação é bem-vinda!

Se quiser nos ajudar, com qualquer valor, poderá usar a nossa chave Pix: doe@mochilaosabatico.com. Ou usar o botão do PayPal abaixo.😉

R$1,00


Encontrou algum erro de gramática neste post? Me avise comentando abaixo. Obrigada!

2 comentários em “VILLARRICA TRAVERSE – a extraordinária travessia no Sul do Chile”

  1. Oi, achei o blog e insta de vocês ontem, incríveis seus relatos.
    Estou planejando uma nova viagem ano que vem, fui em 2018 para Torres del Paine, elcalafate e el chalten.
    Cheguei a ir para Pucon, mas não tive sorte com o tempo. Estou procurando locais com trekking mas onde tenha pernoite ou preferencia volta para o hostel como el chalten. Será que consigo em Pucon com o trecho inicial oi final da Vilkarica transverse?
    Em em bariloche TB é possível? Estou planejando 10 dias em cada país.

    Obrigada!

    Curtir

    1. oi Renata! O acesso das trilhas em Pucón é um pouco longe da cidade e mais complicado. Se estiver com carro, fica mais viável fazer as trilhas em Pucón e depois voltar para a cidade. Ou aluga carro, ou contrata transporte ou tenta a sorte com carona.
      Já em Bariloche, muitas trilhas começam em frente a um ponto de ônibus. Além disso, há vários refúgios de montanha. Em Bariloche será mais fácil e descomplicado.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.