Argentina, Chubut

LAGO BAGGILT e REFÚGIO DO CERRO CÓNICO – além da Huella Andina

Depois das pequenas trilhas em Esquel, vimos que estávamos perto das duas últimas etapas da Huella Andina: 41 e 42.

Apesar de não encontrarmos muita informação sobre este trajeto, vimos algumas fotos do lago Baggilt e nos interessamos. Fomos conferir.

Como chegamos

De Esquel pegamos um ônibus coletivo até a próxima cidade: Trevelin. O trajeto veicular é rápido, de aproximadamente 30 minutos.

Como a previsão do tempo era de chuva para os próximos dias, ficamos alguns dias no camping La Chacay, em Trevelin.

Quando o tempo melhorou, pegamos o mesmo ônibus que sai de Esquel, e fomos até a Aldea Escolar, que é um bairro rural mais afastado, onde começa a etapa 41 da Huella Andina.

É importante verificar na internet o horário do ônibus.

Resumo do trekking

  • País: Argentina
  • Cidades próximas: Trevelin, Esquel
  • Início: Aldea Escolar
  • Fim: Ruca Nehuen
  • Distância total: 59 km
  • Duração: 5 dias
  • Subida acumulada: 2650 metros
  • Descida acumulada: 2650 metros
  • Altitude máxima: 1376 metros
  • Tracklog: Wikiloc
  • Período do trekking: início de março de 2019
  • Dificuldade: Moderada

Roteiro

Fizemos o trekking em 4 noites e 5 dias, como segue:

  1. Aldea Escolar à Huella Andina 42
  2. Huella Andina 42 ao lago Baggilt
  3. lago Baggilt ao refúgio Cerro Cónico
  4. refúgio Cerro Cónico à Huella Andina 42
  5. Huella Andina 42 a Ruca Nehuen


Dia 1: Aldea Escolar – Huella Andina 42

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade

20 km
3h30min
660 metros
230 metros
820 metros
Leve Moderada

Segue a elevação do dia 1.

dia 1

Também passamos por:

  • Ruca Nehuen

O ônibus nos deixou em frente de uma escola da Aldea Escolar, onde inicia a etapa 41 da Huella Andina. Este trecho é praticamente todo em rua de terra. Mas com uma bela paisagem do vale.

No final da etapa 41, parece que teríamos que sair da estrada, mas não sabemos, pois conseguimos uma carona que nos deixou em Ruca Nehuen, que é uma saída da estrada RN259, onde começa a etapa 42.

Tínhamos a informação que neste ponto haveria um local de acampamento, mas fomos enganados. O planfeto que pegamos no Centro de Informações de Trevelin precisa ser atualizado.

Sem muito o que fazer, seguimos para a etapa 42, subindo uma rua adjacente da RN259.

Uma placa informava que levaríamos 6 ½ horas até o lago Baggilt, e já eram 2 horas da tarde. Portanto não chegaríamos com a luz solar até o lago.

Seguimos subindo, sempre de olho em algum bom lugar para montarmos nossa barraca. A caminhada estava bem agradável, com alguns momentos de vista para o vale.

Em certo momento surgiu uma canaleta com água, e então aproveitamos para acampar em um gramado próximo à canaleta.

Dia 2: Huella Andina 42 – lago Baggilt

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade

12 km
3h20min
810 metros
560 metros
1140 metros
Leve Moderada

Segue a elevação do dia 2.

dia 2

Também passamos por:

  • lago Chico

Saímos de nosso acampamento improvisado do dia anterior e seguimos na última etapa da Huella Andina, subindo a mesma rua de terra do dia anterior.

No caminho encontramos um micro-ônibus abandonado, que nos lembrou o filme “Into the Wild“.

Quando estávamos quase chegando no lago Baggilt, vimos um veículo, vindo em nossa direção, reduzindo a velocidade. Era o guarda-fauna. O lago Baggilt não pertence a um parque nacional, por isso a autoridade local não é um guarda-parque.

Logo vi que ele não estava com uma cara muito simpática. Nos cumprimentou e logo perguntou qual era nossa ideia. Respondi que era conhecer lago Baggilt. E então ele falou que não é permitido acampar no lago.

Imediatamente fizemos cara de cachorro sem dono. Com dó ele abriu uma exceção e nos permitiu acampar. Mas teríamos que montar a barraca somente quando anoitecer e ir embora assim que o Sol nascer.

Não entendemos o raciocínio de tudo isso. Ele alegou que a área é um lugar de impacto zero. Não ficamos discutindo, mas um lugar com acesso veicular, com vacas em todo o caminho cagando à vontade e com a Huella Andina convidando os turistas para conhecer o lago… impacto zero? E o que o horário de montar a barraca tem a ver? Muito estranho.

Chegamos no lago e aliviados, concluímos que valeu a pena ficar dois dias em estrada de terra.

Primeiro passamos por um lago menor, conhecido como lago Chico, com um belo espelho d’água.

Depois fomos para o lago Baggilt, propriamente dito. Outro belo espelho d’água surgiu, cercado por árvores, e com o Cerro Cónico e seu glaciar ao fundo. No lago várias moscas voavam próximas da superfície, e vimos peixes saindo para o almoço.

Para nosso espanto, encontramos uma casa que deveria ser do guarda-fauna!! Ficamos mais confusos ainda para entender o tal impacto zero…

Encontramos 3 argentinos, que não foram vistos pelo guarda-fauna. Eles estavam continuando a trilha que daria para um refúgio perto do glaciar do Cerro Cónico. Hummm… deu uma vontade…

Se quiser assistir como foi a trilha, veja em nosso canal do YouTube:

Dia 3: lago Baggilt – refúgio do Cerro Cónico

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade

5,5 km
2h20min
510 metros
290 metros
1380 metros
Moderada

Segue a elevação do dia 3.

dia 3

Acordamos com um belo dia ensolarado e espelho d’água do lago. Decidimos conhecer o tal refúgio que os 3 argentinos nos falaram no dia anterior.

A trilha continua beirando o lago, dentro do bosque. Logo deparamos com algumas árvores caídas, dificultando a visualização do caminho.

Quase a totalidade da trilha não há nenhuma sinalização, e em vários momentos perdemos a trilha. Essa trilha é uma exceção e não está no Maps.Me, e nunca havíamos visto nenhuma divulgação do Cerro Cónico.

Fomos contornando o lago, até chegarmos em sua outra ponta, quando começamos a nos distanciar dele, e ir em direção ao Cerro Cónico.

Encontramos um riacho, e fomos seguindo-o para cima, até que em um momento cruzamos-o para o outro lado. E continuamos subindo até sairmos do bosque.

Foram só as árvores abrirem o espaço, para avistarmos o glaciar do Cerro Cónico. E então surge um pequeno vale, cercado por morros e pelo Cerro Cónico e seu glaciar. Córregos com água de um azul verde-água, percorrem o gramado do vale.

E bem no meio, lá está ele, o refúgio Joaquín Hardt, construído em 2009.

Um refúgio muito bem cuidado, limpo e conservado. Espaço para 4 pessoas dormirem, 1 mesa para refeições e 3 cadeiras, 1 mesa de apoio e 1 calentador à lenha.

Um bilhete nos avisa que deveríamos ter avisado o Clube Andino de Esquel. Até o dia anterior não sabíamos da existência do refúgio, e até aquele momento desconhecíamos que Esquel tinha um Clube Andino.

Valeu muito a pena conhecer este belo lugar.

Se quiser assistir como foi a trilha, veja em nosso canal do YouTube:

Dia 4: refúgio do Cerro Cónico – Huella Andina 42

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade

16 km
5 horas
560 metros
1110 metros
1380 metros
Moderada Pesada

Segue a elevação do dia 4.

dia 4

Voltamos pelo mesmo caminho que viemos, e acampamos no mesmo local que o primeiro dia.

Dia 5: Huella Andina 42 – Ruca Nehuen

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade

5,5 km
1h20min
65 metros
460 metros
770 metros
Leve

Segue a elevação do dia 5.

dia 5

Voltamos para estrada e pegamos um ônibus de volta à Esquel, que passa somente às 2a, 4a e 6a feiras, segundo uma local, às 10h30min.

Dicas

  • É possível ir de ônibus direto para o começo da etapa 42 da Huella Andina. Necessário confirmar os dias do ônibus em Esquel.
  • Não há local de acampamento em Ruca Nehuen.
  • Baixe a trilha até o refúgio do Cerro Cónico antes de ir. É uma trilha pouco sinalizada e demarcada.

Custos

Até este momento de nossa Exploração Argentina 18/19, gastamos uma média individual de R$ 99 por dia.

Seguem alguns custos em pesos argentinos (ARS) e equivalentes em reais (BRL), conforme o câmbio que fizemos.

  • Camping La Chacay, Trevelin, diária individual: $ARS 400 ($BRL 40)
  • Ônibus ida de Trevelin à Aldea Escolar, individual: $ARS 24 ($BRL 2)
  • Ônibus volta de Ruca Nehuen a Esquel: $ARS 91 ($BRL 9)

Cotação comercial em 20/2/2019:
$USD 1,00 = $BRL 3,72 = $ARS 39,86

Dados sabáticos

2648 km trilhados
61 cidades
4 países
1 ano e 9 meses

Quer mais?

Nós, Paula Yamamura e Ramon Quevedo, estamos curtindo uma vida sabática desde 2017, focando no que mais gostamos de fazer: viajar trilhando.

Nos acompanhe também em:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.