Brasil, Destinos, Rio Grande do Sul

CAMINHOS DE CARAVAGGIO – relato do dia a dia

 

 

Entre junho e julho de 2021 percorremos os 200 km pelos Caminhos de Caravaggio no Rio Grande do Sul. Foram 10 dias conhecendo um pouco mais da agricultura da região Sul de nosso país, passando por uma das cidades turísticas mais famosas do Brasil: Gramado.

O guia completo sobre o nosso Caminho de Caravaggio, você encontra em: “CAMINHOS DE CARAVAGGIO – guia dos 200 km na serra gaúcha”.

Este post tem como objetivo relatar o dia a dia de nosso percurso com um pouco mais de detalhes. Você também pode assistir nossa caminhada em nosso canal do YouTube:

Abaixo segue mapa dos Caminhos de Caravaggio. Inclui no mapa várias hospedagens para te ajudar em seu planejamento.

Fizemos a caminhada em 10 dias como segue:


Dia 1: Santuário de Caravaggio em Canela (km 0) → bairro Floresta de Gramado (km 15)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
15 km
3h30min
145 metros
180 metros
850 metros

Chegamos em Canela no dia anterior, e nos hospedamos na pousada Folhos de Outono, que fica bem perto da famosa Catedral de Pedra.

Acordamos cedo, e às 7 horas pedimos um Uber para nos levar até o Santuário de Caravaggio, que estava a uns 7 km da pousada. O Uber demorou um pouco, mas deu tudo certo. Achei a corrida um pouco cara, ficou em R$ 25. Outra opção seria ir de ônibus por R$ 4,50.

Santuario de Caravaggio em Canela
Início dos Caminhos de Caravaggio em Canela

Em 2021, o Santuário de Caravaggio em Canela ainda estava em construção. Como era muito cedo, as instalações dos arredores estavam todas fechadas.

Uma vez no início do caminho, começamos a caminhada. Foi um dia extremamente urbano, caminhando ao lado da estrada RS235, que liga Gramado e Canela.

Caminhos de Caravaggio Canela
Primeiro trecho da estrada RS 235, em Canela

Ao chegarmos no centrinho de Canela, paramos novamente na Pousada Folhas de Outono para tomarmos o nosso café da manhã, e pegarmos nossas mochilas.

Aliás, estávamos com nossas mochilas de montanha, pois pretendíamos acampar nos cânions gaúchos e catarinenses depois do Caminho de Caravaggio. Então estávamos carregando vários itens desnecessários, como isolante, saco de dormir, barraca, panela, fogareiro… Na minha opinião, o ideal para esta caminhada seria uma mochila mais leve, de apenas 30 litros.

Caminhos de Caravaggio
Catedral de Pedra em Canela

Voltando ao caminho… Depois de nosso café da manhã na pousada, passamos pela belíssima Catedral de Pedra, caminhamos mais um pouco pela cidade de Canela, e seguimos pela estrada em direção à Gramado.

O caminho estava super bem sinalizado com setas amarelas e azuis. As setas amarelas vão sentido Farroupilha. E as setas azuis, sentido Canela.

Caminhos de Caravaggio Canela e Gramado
Estrada RS 235 após Canela, sentido Gramado

Em Gramado, tivemos alguns pequenos metros de trilha, uma raridade durante todos os 200 km do caminho. Especialmente neste dia, ficamos mais de 90% do tempo no asfalto. Foi o dia mais chatinho de caminhar.

Predominou um dia nublado, com poucos momentos de Sol e muita neblina.

caminhos de caravaggio gramado
pequeno trecho de trilha em Gramado

Optamos por percorrer somente 15 km neste dia, pois queríamos passar uma noite na cidade de Gramado, o ponto mais alto e badalado do caminho.

Ficamos na Alameda Felice Hotel, hospedagem próxima do final do trecho 1. Pousada novinha, excelentes instalações, limpinha, e com uma simpática dona. O único desafio foi conseguir regular a temperatura do chuveiro, ora fervendo de arrancar a pele, ora frio congelante. Pagamos na época, junho de 2021, a diária de R$ 156 para quarto duplo com café da manhã.

Depois de conseguirmos vencer o chuveiro da pousada, fomos até o centro de Gramado a pé (claro!). Conhecemos a igreja de São Pedro, e curtimos a imensa oferta de restaurantes.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 2: bairro Floresta Gramado (km 15) → Linha Furna Gramado (km 34)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
19 km
4h40min
440 metros
600 metros
830 metros

Saímos da Alameda Felice Hotel em Gramado por volta das 10h40min. Sem pressa fomos nos afastando do maior centro urbano dos Caminhos de Caravaggio, e adentrando a zona rural de Gramado.

Caminhos de Caravaggio_ovelhas
ovelhas nos Caminhos de Caravaggio

Caminhamos boa parte do dia ao lado do asfalto, com um fluxo de carros bem menor que o dia anterior. Percorremos a rota turística da Linha Bonita, passando por uma casa centenária, moinho Colonial Cavichion, museu Fiorenze, igrejas, e pelo café colonial Caffé Della Dona, o único lugar que paramos que neste dia. No café aproveitamos para tomar um chá e saborearmos um apfelstrudel, um doce de massa folhada típico da região.

Caminhos de Caravaggio_milharal_Gramadoplantação de milho

Vimos alguns milharais, ovelhas e gados. Uma e outra ave apareciam raramente. O destaque foi para uma Bandurria que deu seu ar da graça.

Era época de mexericas e laranjas, e os pomares estavam cheios. Aproveitamos para comer algumas no caminho. Estavam bem docinhas.😋. E a partir de hoje elas iriam nos acompanhar por quase todo o caminho.

Caminhos de Caravaggio_Gramado
As primeiras mexericas em nosso Caminho de Caravaggio

A araucária e o sobe-e-desce também seriam nossos companheiros nos demais dias, e nos lembrariam onde estávamos: na Serra Gaúcha.

No finalzinho do dia a rua asfaltada dá lugar à terra, e após 19 km, havia duas hospedagens para escolhermos: Pousada Colina de Pedra ou Estalagem Reserva da Colina.

Caminhos de Caravaggio_Gramado
rua de terra durante segundo dia de caminhada

Às 16h30min estávamos na linha Furnas de Gramado, e nós optamos em nos hospedarmos na bela e confortável Pousada Colina de Pedra, onde oficialmente termina o trecho 2 dos Caminhos de Caravaggio.

Na Pousada Colina de Pedra, nos hospedamos em um quarto bem aconchegante, amplo, limpo e com ótimas instalações. Uma linda vista da montanha nos presenteava da janela. Para jantar, a pousada oferece um prato de comida congelada, que saciou nossa fome. Mas confesso que comeria um pouco mais.

Em junho de 2021, pagamos a diária de uma suíte de casal por R$ 130 com café da manhã. Também há opções de chalé, porém mais caros.

Outras duas caminhantes dormiram por lá naquela noite, mas nem a vimos, chegaram depois de nós e foram embora bem cedinho.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 3: Linha Furna em Gramado (km 34) → Vila Oliva em Caxias do Sul (km 56)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
22 km
5h30min
750 metros
690 metros
790 metros

Tomamos um bom café da manhã na Pousada Colina de Pedra, e partimos por volta das 10 horas.

Passamos por um jardim repleto de hortênsias secas. Infelizmente não estávamos na melhor época do ano, que é no verão, para apreciar essas flores.

Caminhos de Caravaggio_hortensias
Hortênsias nos Caminhos de Caravaggio

O dia amanheceu nublado e assim permaneceu. O grande problema foi a chuva. Às 10h30min começou um chuvisco tímido. Assim que as primeiras gotas caíram, vesti minha jaqueta impermeável e coloquei a proteção da mochila. Mas logo a torneira de São Pedro abriu, despejando muita chuva em nossas cabeças. Nem deu tempo de colocar a calça impermeável, e em um segundo minhas pernas ficaram todas molhadas. A jaqueta “impermeável” aguentou umas 2 horas, e então começou a passar água para meu corpo. Estava bem frio para ficarmos molhados.

Caminhos de Caravaggio_Gramadodia chuvoso

A primeira parte do dia foi de um pouco de descida. Passamos por duas pontes, vimos penhascos, e igreja no caminho.

Caminhos de Caravaggio_Gramado
igreja no meio das montanhas da Serra Gaúcha

Na segunda ponte, passamos pelo rio Caí pela primeira vez no caminho. Ao cruzarmos o rio deixamos Gramado para trás e entramos no munícipio de Caxias de Sul.

Para nosso alívio havia um lugar coberto logo após a ponte, onde eu pude trocar minha roupa molhada por uma seca. Depois da ponte tivemos uma boa subida.

Caminhos de Caravaggio_rio Cai
ponte sobre rio Caí

Infelizmente vimos pés de mexerica somente no começo do dia, quando não tínhamos fome. Também não vimos nenhum café ou restaurante. E para piorar não levamos nenhum lanche para comermos no caminho. Aí já viu… a fome apertou neste dia. Foi um grande erro não termos garantido um lanchinho na Pousada Colina de Pedra.

No final do dia, para nosso alívio, a chuva passou. Passamos pelos Arroios Tigrinho e Majolo, e seguimos para a Vila Oliva.

Caminhos de Caravaggio_Vila Oliva
caminhando ao lado do Arroio Majolo

Depois de 22 km em rua de terra, chegamos na Vila Oliva, em Caxias do Sul, onde encontramos restaurantes e mercado. Imediatamente compramos um biscoito caseiro para tapear a fome. Eram quase 17 horas e não comemos nada após o café da manhã.

No finalzinho da vila, encontramos a Pousada Familiar da Dona Solange, que nada mais é que a casa da Dona Solange, onde ela disponibiliza um dormitório com beliches, e um banheiro para os caminhantes. Só havíamos nós naquele dia. As caminhantes que estavam na Colina de Pedra foram direto para a próxima hospedagem, 16 km para frente. Que disposição…

A Dona Solange e seu marido nos receberam com pinhões e vinho. Logo depois foi servido um jantar caseiro. Em sua casa também funciona um restaurante. Tudo bem simples e essencial para os caminhantes. Em junho de 2021, pagamos cada um R$ 125 com direito ao jantar, café da manhã, e uma super lavagem de roupa.

Na hospedagem da Dona Solange termina oficialmente o trecho 3 dos Caminhos de Caravaggio.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 4: Vila Oliva em Caxias do Sul (km 56) → Santa Lúcia do Piaí em Caxias do Sul (km 71)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
15 km
4h10min
510 metros
470 metros
830 metros

Tomamos nosso café da manhã na pousada, e fizemos um lanchinho para levarmos no caminho. Não queríamos passar fome novamente. Pagamos a Dona Solange, que só aceita dinheiro, e saímos às 10 horas da Vila Oliva. O dia estava ensolarado e gostoso.

O caminho até Santa Lúcia do Piaí, nosso próximo destino, estava em obras. O caminho de terra que liga as duas vilas, estava sendo asfaltado. Passamos por um trecho de lama, e o resto do dia caminhamos no asfalto.

Caminhos de Caravaggio_Vila Oliva
o caminho até Santa Lúcia de Piaí estava em obras em 2021

Segundo o dono da pousada na Vila Oliva, em um futuro não muito distante haverá um aeroporto internacional nas redondezas. Naquela sexta-feira havia poucos veículos circulando na estradinha, mas com um aeroporto, provavelmente o fluxo irá aumentar, tornando o caminho desagradável. Mas isso deixamos para o futuro…

Caminhos de Caravaggio_capelacapela de Nossa Senhora de Caravaggio

Pouco depois de 1 hora de caminhada paramos em frente a uma igrejinha de Nossa Senhora de Caravaggio. Os bancos e mesas de alvenaria em frente da capela foram irresistíveis.

Passamos por pomares de maçã sem maçã, milharais secos, parreiras sem uvas, e plantações de tomate. Este foi um raro dia sem bergamotas, ou mexericas, se preferir.

Quando faltavam 4 km para chegarmos a Santa Lúcia de Piaí, passamos pela Igreja de Santo Isidoro, onde há uma bifurcação para a esquerda. Para quem não quiser ir até Santa Lúcia de Piaí, é possível virar nesta bifurcação, e continuar pelo próximo trecho dos Caminhos de Caravaggio.

Nós seguimos para Santa Lúcia. E no último pedaço do dia, o caminho dá uma boa inclinada, e começa um sobe-e-desce até a vila.

Caminhos de Caravaggio_Santa Lucia de Piai
subidinha boa até Santa Lúcia de Piaí

Após 15 km de caminhada, às 14h10min chegamos na Santa Lúcia do Piaí, mais uma vila aconchegante e sossegada do município de Caxias do Sul. Nesta localidade a hospedagem indicada pelo Guia do Peregrino é no Seminário Nossa Senhora da Divina Providência, onde oficialmente termina o trecho 4 dos Caminhos de Caravaggio.

Conferimos a previsão do tempo, e vimos que uma frente fria iria chegar no dia seguinte. Teríamos 3 dias de chuva. Então decidimos fazer uma pausa no Caminho para aguardarmos o clima melhorar.

Quando chegamos na Santa Lúcia de Piaí fomos conferir se havia ônibus para o centro de Caxias de Sul. Mas infelizmente o ônibus já havia saído ao meio-dia, e o próximo viria somente na 2a feira. Era sexta-feira e não queríamos ficar o final de semana por lá, na chuva. Perguntando para os moradores encontramos um motorista tipo Uber. Fora do aplicativo, ele nos cobrou R$ 120 para nos levar até Caxias do Sul.

No caminho liguei para o Seminário avisando que não iríamos naquele dia. Tínhamos agendado previamente com os padres nossa hospedagem no seminário. Aliás… é bom agendar antes as hospedagens. Basta encontrar um grupo grande de peregrinos para lotar as hospedagens.

No final, o tempo chuvoso foi até bom. O Ramon estava com uma bolha enorme no seu calcanhar esquerdo, e precisava se recuperar.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dias de descanso: Caxias do Sul

Devido à chuva, ao final de semana sem ônibus, e à bolha no calcanhar de Ramon, ficamos dois dias em Caxias do Sul.

Após dois dias de descanso, voltamos para Santa Lúcia do Piaí de transporte público. Pegamos um ônibus às 17 horas na rodoviária de Caxias do Sul. A passagem foi de apenas R$ 20 cada um. Durante o caminho, o ônibus quase lotou. Depois de 2 horas chegamos em Santa Lúcia de Piaí.

Já era noite e estava muito muito frio. E ainda tivemos que caminhar 1 km até o Seminário Nossa Senhora da Divina Providência. O seminário fica no alto de uma colina. A área externa é enorme, muito bonito e bem cuidado. O amplo casarão é muito bem conservado, com quartos espaçosos, comida boa, e padres atenciosos. Sem dúvidas, é uma parada obrigatória para quem está nos Caminhos de Caravaggio.

Na diária de R$100 por pessoa estava incluso jantar e café da manhã. Valeu muito a pena se hospedar por lá. O jantar foi sopa e strogonoff. O chuveiro era bem quentinho com bom volume de água. Tudo muito bom.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 5: Santa Lúcia do Piaí em Caxias do Sul (km 71) → Linha Brasil em Nova Petrópolis (km 96)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
25 km
6h10min
760 metros
970 metros
800 metros

Depois de uma noite bem fria no Seminário de Santa Lúcia de Piaí, tomamos café da manhã, fizemos um lanche para o caminho, e às 8h30min partimos. Uma frente fria havia chegado, e tivemos um dos dias mais frios do ano. Chegou a nevar em alguns lugares do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, inclusive em Gramado. Nós presenciamos a queda de uma chuva congelada. Para deixar este dia mais frio, o Sol decidiu não aparecer. As nuvens reinavam no céu.

Caminhos de Caravaggio_paroquia Santa Lucia
paróquia de Santa Lúcia

Paramos para tirar uma foto da igreja da Paróquia Santa Lúcia, que fica na praça do distrito, e caminhamos novamente pelo mesmo caminho do dia anterior. Os trechos 4 e 5 se coincidem até a capela Santo Izidoro, onde viramos em direção à Nova Petrópolis.

Caminhamos quase todo o dia em uma estrada de terra e rípio.

Nova Petropolis_Rio Grande do Sul
caminho de terra e rípio no munícipio de Nova Petrópolis

Vimos vinhedos sem uvas, hortênsias secas, plantação de tomate (acho) e fartos pés de laranja e mexericas.

Passamos pelas centenárias igrejas de São Paulo de 1925, e Maximiliamo de 1914.

Caminhos de Caravaggio_igreja de sao paulo
Igreja de São Paulo (1925)

E apreciamos algumas boas paisagens no caminho.

Caminhos de Caravaggio_paisagens
paisagens nos Caminhos de Caravaggio

Podemos dividir o dia em duas partes. A primeira parte foi de descida até o rio Caí, onde atravessamos uma ponte bem baixa em um rio bem cheio. Havia chovido muito dois dias atrás. Nos falaram que no dia da chuva era impossível atravessar aquela ponte a pé ou em carros baixos.

A segunda parte foi de subida após o rio Caí, quando já estávamos caminhando no munícipio de Nova Petrópolis. Fomos subindo, passamos pela igreja de Nossa Senhora de Pedancino até encontrarmos a rodovia RS235, onde caminhamos em seu acostamento por uns 2 km.

Caminhos de Caravaggio_rio Cai
ponte sobre Rio Caí

Ainda na rodovia, e um pouco antes de chegarmos na Hospedaria Bom Pastor, passamos por um mercado e pela loja de fábrica de alfajor Mukli. Aproveitamos para comprar alguns alfajores, e nos aquecermos com um bom café. Tudo delicioso.

Às 15h40min, após 25 km chegamos na Hospedaria Bom Pastor, onde termina oficialmente o trecho 5 dos Caminhos de Caravaggio. A hospedagem fica dentro de um complexo escolar, e foi ótima para nós. Havia cozinha, lavanderia (com máquina e sabão disponíveis), e sala de estar compartilhadas. Como só havia nós dois, tínhamos uma casa só para nós. Achei o lugar bem bonito.

Para saciar nossa fome, compramos em um mercado próximo, macarrão, atum e queijo, e preparamos a comida na cozinha. A diária na Hospedaria Bom Pastor custou R$ 70 por pessoa com café da manhã incluído. A típica hospedagem BBB: Boa, Bonita e Barata. Durante todo o nosso Caminho de Caravaggio, foi a segunda vez que lavamos nossas roupas em uma máquina. A primeira vez foi na Pousada da Dona Solange. Uma benção…

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 6: Linha Brasil em Nova Petrópolis (km 96) → bairro Piá em Nova Petrópolis (km 116)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
20 km
5 horas
420 metros
410 metros
780 metros

Às 7h30min tomamos um bom café da manhã na cantina da Escola Bom Pastor, logo depois dos alunos. Fizemos um lanche para o caminho, terminamos de arrumar nossas coisas, e às 9h30min partimos. Estávamos na metade dos Caminhos de Caravaggio.

Continuamos na estrada RS235, onde caminhamos 2 km pelo acostamento. Saímos da rodovia e seguimos por mais 4 km na estrada Nove Colônias, uma rua asfaltada mais tranquila.

Caminhos de Caravaggio_Nova Petropolis
estrada asfaltada em Nova Petrópolis

O dia começou bem úmido com uma forte névoa. A névoa se dissipou um pouco com o evoluir do dia, mas a umidade continuou persistindo. Estava tão frio que não tivemos coragem de comer uma mexerica fresca neste dia. Me faltou coragem para tirar minhas luvas.

Caminhos de Caravaggio_bergamotas
mexericas, tangerinas, bergamotas…

Saímos do asfalto e seguimos em uma rua de terra por quase uns 7 km, quando o asfalto retornou novamente. A sinalização, como todos os dias, estava bem presente.

Caminhos de Caravaggio_araucaria
rua de terra e araucária

Mais uma vez cruzamos a rodovia RS 235, quando passamos pela bela e florida Praça Theodor Amstad. Em frente estava a igreja Linha Imperial.

Caminhos de caravaggio_Nova petropolis
praça Theodor Amstad e paróquia São Lourenço Mártir

Estávamos loucos para entrarmos em um café e tomarmos algo quente, mas não encontramos nada. A única lanchonete que encontramos não vendia café, nem chá.

Caminhamos mais uns 2,5 km pela rua Antonio Schoeller, e novamente encontramos a rodovia, onde uma placa de Nova Petrópolis dava boas vindas à todos. E lá encontramos, enfim, uma cafeteria. Tomamos um chocolate quente super cremoso para aquecer a alma e o corpo.

Caminhos de Caravaggio_
placa de Nova Petrópolis

Estávamos próximos do centro de Nova Petrópolis, e havia várias hospedagens por lá. Mas optamos seguir para o final do trecho 6 dos Caminhos de Caravaggio, para a Pousada da Chácara. Depois, vendo algumas fotos de Nova Petrópolis, me arrependi de não ter ido até a cidade para conhecê-la. Ficará para uma próxima oportunidade.

Passamos por uma fábrica de laticínios, e seguimos para a pousada que agendamos. Às 15h30min, após 20 km de caminhada chegávamos na Pousada da Chácara, localizada a uns 3 km da estrada RS235. Na época, a diária mais barata para o casal na pousada, era um apartamento de R$ 220, com café da manhã incluso. Apesar de ter ar condicionado, a temperatura do quarto continuou bem fria. O meu banho foi bem quentinho, mas o Ramon não teve tanta sorte. Em um dos dias mais frios do ano, ele teve um banho morno.

Para o jantar, pedimos uma pizza grande por telefone. Dos doze pedaços, comemos dez, e deixamos os outros dois pedaços como lanche de trilha para o dia seguinte.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 7: bairro Piá em Nova Petrópolis (km 116) → Vila Cristina em Caxias do Sul (km 138)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
22 km
5h30min
230 metros
680 metros
610 metros

Éramos somente nós dois na Pousada da Chácara, e o café da manhã era só nosso. Tomamos café às 8 horas, pegamos duas bananas para comermos no caminho, e começamos a caminhar por volta das 9h20min. O dia estava ensolarado, e uns 10°C mais quente que os dois últimos dias.

caminhos de caravaggio
torres de transmissão de energia

Foi nosso segundo dia sem subidas. O primeiro dia foi no trecho entre Canela e Gramado. Seguimos pela rua de terra ao lado de linhas de transmissão de energia, com belíssimas paisagens do vale do rio Caí.

Nova Petropolis
vista para o Vale do rio Caí

No caminho saboreamos algumas mexericas. Foi o dia, até o momento, que mais comemos mexerica. Também vimos bananeiras, e um e outro milharal.

Caminhos de Caravaggio
dia de descida

Foram 4 km iniciais quase planos, quando começou uma boa descida. Depois foram uns 5 km morro abaixo até encontrarmos o rio Caí, na Linha Pirajá, um bairro rural de Nova Petrópolis.

Caminho
zona rural de Nova Petrópolis

Vimos algumas hortas e outras plantações que não faço ideia do que seja. Até aqui neste dia, o caminho foi praticamente em ruas de terra.

Seguimos pela estrada São José do Caí, margeando o rio Caí. Do outro lado do rio estava a cidade de Caxias do Sul. Logo depois encontramos a BR 116.

Caminhos de Caravaggio_hortas
hortas na zona rural de Nova Petrópolis

Caminhamos uns 3 km pelo acostamento da BR 116, e cruzamos a fronteira dos munícipios de Nova Petrópolis e Caxias de Sul. Passamos por mais uma ponte sobre o rio Caí, desta vez ao lado dos carros. Achei bem perigoso, pois quase não havia acostamento. Foi a terceira e última ponte sobre o rio Caí que cruzamos durante todo o Caminho de Caravaggio.

Caminhos de Caravaggio
divisa de Caxias de Sul e Nova Petrópolis

A BR 116 nos levou até a Vila Cristina, um distrito do município de Caxias do Sul. Na Vila Cristina, o Guia oficial do Peregrino nos deu duas opções de hospedagem: ir até o final do 7º trecho no Hotel Fazenda Vale Real, ou desviar um pouco do caminho e se hospedar na Famíglia Pezzi. Não ficamos em nenhuma das duas opções. Fizemos um pequeno desvio para a Pousada Villani, uma hospedagem que encontramos no Google Maps, e que fica bem perto do centrinho da Vila Cristina.

Pousada Villane_Caminhos de Caravaggio
quarto da pousada Villani

Chegamos na Pousada Villani às 15h20min, após 22 km de caminhada. Ela é bem simples, e fica na casa dos proprietários. Ficamos em um humilde e antigo apartamento, faltando uma pintura, e com um cano saindo da parede do quarto, Mas estava bem limpo. Pagamos o preço de R$ 120 a diária, com cozinha (com geladeira e sem fogão), quarto e banheiro.

Para jantar fomos até a Casa Fagundes, que ficava uns 600 metros da pousada. Comemos pastel, lanche e tomamos café. Tudo bem gostoso em um ambiente requintado.

Casa Fagundes_Caminhos de Caravaggio
Casa Fagundes na Vila Cristina

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 8: Vila Cristina em Caxias do Sul (km 138) → Linha Boêmios em Farroupilha (km 155)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
18 km
5 horas
440 metros
250 metros
310 metros

Por R$ 10 cada um, a Viviane da Pousada Villani preparou um café da manhã simples e suficiente. Tomamos o café da manhã na cozinha de nosso apartamento, e começamos a caminhar às 9h15min.

Caminhamos 1,5 km pela rodovia estadual RS 452. Achei bem perigoso o trecho na ponte do rio Bello, quase não havia acostamento. Para nosso alívio, logo pegamos uma saída à esquerda, e saímos da estrada. 

Caminhos de Caravaggio
rio Caí

Caminhamos por 2,5 km  por uma rua paralela à estrada, ao lado do rio Caí. Comemos a primeira mexerica do dia, passamos pelo Hotel Fazenda Real, onde termina oficialmente o 7º trecho dos Caminhos de Caravaggio. Na mesma rua passamos por mais uma igreja: a Igreja São Rafael.

igreja sao rafael_Caminhos de Caravaggio
igreja São Rafael

Voltamos a caminhar mais uns 2,5 km pela estrada asfaltada, e então nos despedimos de vez das águas do rio Caí, que tanto nos acompanhou durante esta jornada.

Saímos do asfalto, e começamos a acompanhar o arroio de Ouro pela estradinha de terra Frederico Thomas.

Estávamos no Vale do rio Caí, e nesta região vimos muitas plantações de verduras. Achei bem interessante. Adorei caminhar por lá.

Caminhos de Caravaggio_vale do cai
plantação de verduras no Vale do Caí

Quase a metade do caminho deste dia foi no plano, e a outra metade foi em um sobe-e-desce, com muito mais sobe que desce. Acho que metade da descida do dia anterior, seria transformada em subida neste dia. Durante o início da subida passamos brevemente pelo município de Vale Real e vimos vinhedos sem uva. O plantio da uva se dá no verão.

Caminhos de Caravaggio
uma breve passagem pelo Vale Real

Antes da empinada final, paramos na Igreja São Pedro para comermos um pacote de fandangos que compramos no dia anterior na Casa Fagundes.

Caminhos de Caravaggio
igreja de São Pedro

Passamos uma ponte sobre o arroio de Ouro, continuamos subindo e chegamos no limite de Farroupilha, o último munícipio de nosso Caminho de Caravaggio. Sinal que estávamos quase terminando.

Caminhos de Caravaggio_bergamota
pomares de citros nos Caminhos de Caravaggio

Passamos por muitos pomares de citros (laranja, mexerica e limão), lindas plantações de pêssegos florados, parreiras sem uvas, e fizemos a subida final até a cruz da capela de Caravaggeto, onde termina oficialmente o 8º trecho dos Caminhos de Caravaggio. 

Caminhos de Caravaggio
as flores de pessegueiro

Ao lado da cruz há uma placa gigante do Hotel Di Capri em Farroupilha. Este hotel faz o translado ida-e-volta para os peregrinos. Nós planejamos ficar na Casa Canjerana.

Depois da cruz, saindo do caminho à esquerda, está a Capela de Caravaggeto, e depois da Capela estava a casa da mãe e irmãos da Suzana, dona da Casa Canjerana. Como naquele lugar não havia sinal de celular, pedimos para eles entrarem em contato com a Casa Canjerana. Eram por volta das 14h20min. Felipe, o filho de Suzana, foi nos buscar de carro.

Cruz Caravaggeto_Caminhos de Caravaggio
Cruz próxima da Capela de Caravaggeto

A Casa Canjerana fica a 4 km da cruz, morro acima. A casa é bem charmosa, ampla e bem cuidada. Como éramos somente nós naquele dia, tivemos a casa toda para nós, por R$ 110 cada um, incluindo lanche da tarde e café da manhã. A janela do quarto tinha uma linda vista da serra gaúcha.

Como a casa era centenária, os banheiros ficavam no lado de fora. Também havia uma vitrola, onde aproveitamos para ouvir um disco do Ira!. Os mais jovens provavelmente não conhecem essa banda…

Caminhos de Caravaggio
interior da Casa Canjerana

Acabamos não jantando pois tínhamos comido muito lanche da tarde, e não tínhamos fome. Mas se quiséssemos, a Suzana iria preparar uma janta para nós, por R$20 cada um.

Foi uma ótima hospedagem para finalizarmos o dia que mais gostei dos Caminhos de Caravaggio.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 9: Linha Boêmios em Farroupilha (km 155) → São Roque em Farroupilha (km 171)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
16 km
4 horas
560 metros
200 metros
640 metros

Acordamos por volta das 7h30min bem preguiçosos. Preparamos nosso café da manhã com os alimentos deixados por Suzana no dia anterior, e separamos um lanche para comermos no caminho. Às 10 horas a Suzana passou para nos levar de volta à cruz. No caminho ela nos mostrou uma gruta construída em homenagem à Nossa Senhora de Lurdes.

Voltamos para a cruz de Caravaggeto, e percebemos que na frente havia uma Associação que fornecia água potável e Wifi aberto. Uma ótima iniciativa!

O penúltimo dia do caminho foi de subida na rua de terra. Nos 12 primeiros quilômetros a subida foi bem suave, mas no último trecho ficou bem acentuada.

Logo cedo passamos por gigantes torres de transmissão.

Caminhos de Caravaggio_Farroupilha
torres de Transmissão

A paisagem no caminho estava bem bonita, vista para as montanhas, com muitos pomares lotados de citros. Lindo de ver aquelas bolas cor de laranja se destacando no meio de tanto verde. Neste dia lembramos que estávamos carregando uma faca, e decidimos experimentar uma laranja. Estava super doce e deliciosa.

Pomares laranja_Caminhos de Caravaggio
pomares de citros lotados no início de julho

Também havia muitas parreiras aguardando a época da uva chegar. Havia um e outro cacho querendo nascer fora de época. Fico imaginando como deve ser bonita a paisagem durante a colheita de uva.

Caminhos de Caravaggio_parreiras
parreiras sem uvas

No dia anterior a Suzana nos explicou que muitas parreiras são sustentadas por árvores conhecidas como plátanos. Parecem esculturas da natureza.

Caminhos de Caravaggio_platano
plátanos e vinhedo

Além das parreiras, também vimos algumas plantações de morango.

Caminhos de Caravaggio_morangos
morangos

Passamos pelo Arroio de Ouro, e tivemos a subida final ao nosso destino do dia.

Caminhos de Caravaggio
dia de subida nos Caminhos de Caravaggio

Às 15h20min, após 16 km, encontramos o asfalto e entramos no povoado de São Roque. Passamos por uma vinícola grande, uma igreja, e então chegamos na Vinícola Colombo, onde termina oficialmente 9º trecho dos Caminhos de Caravaggio.

Caminhos de Caravaggio_vinicola Colombo
entrada da Vinícola Colombo

O Sr. Augusto, proprietário da vinícola nos aguardava. Com uma autêntica simpatia, ele nos mostrou sua vinícola, e nos hospedou na casa que um dia foi de seus avós. A casa foi recém-reformada por ele e estava impecável. Foi a hospedagem mais cara do caminho, R$310 para nós dois. Por pessoa foram R$ 130 de hospedagem mais R$ 25 de comida. Mas valeu a experiência. A charmosa casa era só nossa. Ampla e aconchegante. Na cozinha, havia alimentos para o jantar (macarrão) e café da manhã.

Clique aqui para voltar ao menu.

Dia 10: São Roque em Farroupilha (km 171) → Santuário de Caravaggio em Farroupilha (km 194)

distância
tempo em movimento
subida acumulada
descida acumulada
altitude máxima
23 km
5h30min
550 metros
490 metros
750 metros

Acordamos, tomamos nosso café da manhã, e fizemos nosso lanche para comermos no caminho. O Sr Augusto apareceu, e nos despedimos. Começamos a caminhar às 9h30min, na rua asfaltada de São Roque, que é a estrada Municipal 299.

Caminhos de Caravaggio
saindo de São Roque

Alguns carros passaram por nós. Vimos vários cactos, e alguns caquis sobreviventes da última colheita.

Caminhos de caravaggio_cactos
cactos

Passamos por uma grande vinícola, a casa Perini. E pela Igreja Nossa Senhora Salete, com algumas bonitas casas ao lado.

Igreja Nossa Senhora Salete_caminhos de caravaggio
igreja Nossa Senhora da Salete

Depois de 6 km de curvas no asfalto, viramos à esquerda, caminhamos em uma rua de terra e rípio, e em um pequeno pedaço de trilha com um pouco de lama. Trilha foi uma raridade nos Caminhos de Caravaggio.

wp-16485502171034067144665237724958
raro momento de trilha

Fomos seguindo por uma rua de rípio, passamos por uma banca de frutas, e nos aproximamos da área urbana de Farroupilha. Beliscamos a ponta leste da cidade e encontramos muito lixo. Uma comunidade bem pobre morava nas proximidades. Não sei o que acontece naquela região, pois visivelmente o lixeiro não passava por lá a algum tempo.

Caminhos de Caravaggio_lixo
lixo nas proximidades da área urbana

Depois desta comunidade chegamos na Rota do Sol, em uma rodovia estadual. Seguimos pelo acostamento por 3 km, e tivemos que atravessar a rodovia para continuarmos no Caminho. Achei bem perigosa a travessia da estrada.

Caminhos de Caravaggio
rota do Sol

Atravessamos a rodovia, e seguimos por uma rua de terra por 5 km de sobe-e-desce. Algumas bikes e motos passaram por nós, inclusive vimos uma pista de motocross. Observamos hortas de alface, plantações de morango, torres de transmissão, uma fábrica de cerâmica (acho) e um riacho.

Caminhos de Caravaggio_morangos
mais morangos nos Caminhos de Caravaggio

Viramos à esquerda na estrada Luiz Victório Galafassi, e começamos a descer até o Arroio Biazus, onde encontramos o restaurante Roman, que oferece rodízio de carne. Aproveitei para ir ao banheiro, e seguimos pela última subida do caminho. Foram aproximadamente mais 2 km. A subida não foi tão forte como imaginava.

sinalização Caminho de Caravaggio
últimas sinalizações do Caminho de Caravaggio

Após 23 km de caminhada neste dia e 194 km acumulados chegamos no Santuário de Caravaggio de Farroupilha. Sua cúpula reinava no céu. Eram 15h20min de um domingo. Muitos carros e pessoas circulavam por lá.

Caminhos de Caravaggio
chegando no Santuário de Caravaggio

Deixamos para ver o Santuário depois. Entramos no Hotel Bem Te Vi, onde tínhamos uma reserva. Tomamos banho, compramos queijo, e quase no pôr do Sol, fomos caminhar pela bela praça do Santuário.

O lugar é muito agradável. Além do Santuário, há a torre do Sino, uma igreja menor, uma capela para velas, um mirante e um gramado com bancos posicionados para o Pôr do Sol.

Caminhos de Caravaggio
pôr do Sol

Aliás, nos contaram que antigamente todo o peregrino poderia tocar o sino da torre ao final de seu caminho. Mas parece que esta prática não está mais sendo realizada. Uma pena, até que seria legal tocar o sino.

Caminhos de Caravaggio
torre do sino

Com sino ou sem sino, não tenho dúvidas: foi muito bom terminar os Caminhos de Caravaggio neste lindo lugar.

santuario de caravaggio_Farroupilha
Santuário de Caravaggio

Clique aqui para voltar ao menu.


Este post vale 1 real?

Nos ajude a pagar a hospedagem deste site e mantê-lo vivo.

Qualquer doação é bem-vinda!

Se quiser nos ajudar, com qualquer valor, poderá usar a nossa chave Pix: doe@mochilaosabatico.com. Ou usar o botão do PayPal abaixo.😉

R$1,00


Encontrou algum erro de gramática neste post? Me avise comentando abaixo. Obrigada!

3 comentários em “CAMINHOS DE CARAVAGGIO – relato do dia a dia”

  1. Mais uma vez sensacional, mesmo me considerando “informado” sobre trilhas no Brasil, nunca imaginei que tivesse tantas “trilhas de longa distancia”. Muito legal mesmo!

    Agora imagino que o post do Caminhando nos cânions de Aparados da Serra esta mais próximo? rsrsrs

    Curtido por 1 pessoa

    1. oi Thiago! Eu acho que irei escrever sobre os Aparados da Serra depois. Pretendemos voltar para esta região este ano (espero que dê certo), e assim terei mais informações. Há muito o que conhecer naqueles lindos cânions… Mas não sei ainda… Vamos ver… Abs!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.