Argentina, Río Negro

CERRO VOLCÁNICO – dia longo em Pampa Linda

Em nosso terceiro mês da Exploração Argentina 18/19, chegamos no pequeno vilarejo Pampa Linda, que fica ao pé do Monte Tronador, um dos picos mais altos da região.

Em Pampa Linda há várias trilhas para serem exploradas, então ficamos por lá alguns dias, antes de retornarmos para Bariloche.

A primeira trilha que fizemos foi até o cume do Cerro Volcánico (1861 metros de altitude). O Cerro Volcánico fica em um dos primeiros parques nacionais criados da Argentina, o gigante Parque Nacional Nahuel Huapi.

O Parque Nacional Nahuel Huapi está localizado a noroeste da Patagônia. Os 710.000 hectares que compõem seu território estão localizados nas províncias Neuquén e Río Negro, e em cidades como San Carlos de Bariloche, Dina Huapi, Villa Traful e Villa La Angostura.

Como chegamos

Chegamos em Pampa Linda por uma bela travessia de 6 dias, atravessando montanhas e lagoas, desde Colonia Suiza.

Pampa Linda é um pequeno vilarejo e encontramos 4 hospedagens: um hotel quase luxuoso, um albergue, um camping organizado e um camping agreste. Todos um ao lado do outro. Refeições são servidas no hotel, no albergue e no camping organizado.

Optamos por ficar no camping organizado Los Vuriloches.

Resumo do trekking

  • País: Argentina
  • Cidade: Bariloche
  • Início: Pampa Linda
  • Fim: Pampa Linda
  • Distância total: 28 km
  • Duração: 1 dia
  • Subida acumulada: 1710 metros
  • Descida acumulada: 1710 metros
  • Altitude máxima: 1861 metros
  • Mapa da trilha: Wikiloc
  • Período do trekking: início de fevereiro de 2019
  • Dificuldade: Pesada.

Seguem mapa e elevação do trekking:

Cerro Volcanico

Trilha

A trilha começa ao lado da estrada RP 81, a 1 km do camping Los Vuriloches. Os primeiros passos são acompanhados pela vista do Cerro Tronador e pelo rio Manso Superior, que atravessamos por uma ponte, e em seguida entramos em um bosque.

Mais alguns passos e chegamos no Saltito de Las Nalcas. Um fio de uma alta queda d’água, caindo em um pequeno poço.

LRM_EXPORT_20190304_152442

Voltamos na trilha e pegamos uma tímida entrada à esquerda, para seguirmos ao cume do Cerro Volcánico. Quase não percebemos esta entrada.

Andamos por entre bambus, quase escorregando com os pedaços soltos no chão, até chegarmos no riacho Cauquenes. Fomos margeando o riacho, cruzando-o algumas vezes, nos equilibrando em pedras.

Passamos pela intersecção, onde a trilha se divide para o Cerro Volcánico e Paso Vuriloches. Um pouco adiante há um local de acampamento.

Continuamos margeando outro riacho, com uma tímida subida. A subida começa a ficar mais inclinada, quando nos distanciamos do riacho em direção à laguna Rosada, onde encontramos outro local de acampamento. Olhando atrás da laguna, vimos o Cerro Tronador.

LRM_EXPORT_20190304_152426

Continuamos subindo dentro do bosque, e conforme subimos as árvores foram diminuindo a altura, os troncos afinando e uma vegetação, conhecida como barba de velho, aumentando. A presença da barba de velho indica que estávamos respirando um ar puro.

Saímos do bosque e começamos uma subida entre pedras. Até avistarmos o Cerro Volcánico, com seu solo avermelhado e uma mancha de neve ao lado.

LRM_EXPORT_20190304_152403

Próximo ao cume, na subida final, o solo fica mais arenoso e cada vez mais vermelho. Passamos por um Hito, onde identifica um limite internacional entre Chile e Argentina.

LRM_EXPORT_20190304_152416

No cume, mais uma vista extraordinária da Patagônia. Reconhecemos o vizinho Cerro Tronador, com seus 3478 metros de altitude, o vulcão Pontiagudo, vulcão Osorno e os lagos Fonck e Hess.

LRM_EXPORT_20190304_152603

Voltamos pela mesma trilha e chegamos quase mortos no camping. Trajeto extremamente cansativo e longo para somente um dia.

Se quiser assistir como foi a trilha, veja em nosso canal do YouTube:

Dicas

  • Comece a trilha o mais cedo possível, para evitar o forte Sol.
  • Antes de dezembro e depois de maio, é importante passar no guarda parque para saber como estão as condições da trilha, principalmente sobre a neve.
  • melhor época é de janeiro à abril, quando o verão derreteu o excesso da neve, tornando a caminhada mais agradável. Vale observar, que janeiro é altíssima temporada e Bariloche estará lotada e cara. Em abril, haverá a oportunidade de apreciar as cores do outono chegando, mas será um mês mais frio para se banhar nos lagos e rios.
  • É obrigatório o registro para fazer as trilhas no Parque Nacional Nahuel Huapi, apesar de não percebemos nenhum controle e fiscalização. O registro é fácil e rápido, e pode ser feito online ou no guarda parque.
  • É aconselhável levar um GPS, pois alguns trechos a trilha não está bem demarcada, principalmente nos trechos onde devemos cruzar os rios.

Custos

Até este momento de nossa Exploração Argentina 18/19, gastamos uma média individual de R$ 87 por dia.

Seguem alguns custos em pesos argentinos (ARS) e equivalentes em reais (BRL), conforme o câmbio que fizemos.

  • Camping Los Vuriloches, em Pampa Linda, diária individual: $ARS 350 ($BRL 36)
  • Refeição, na Hosteria Pampa Linda, individual com bebida: $ARS 600 ($BRL 62)

Cotação comercial em 8/1/2019:
$USD 1,00 = $BRL 3,72 = $ARS 37,29

Dados sabáticos

2378 km trilhados
60 cidades
4 países
1 ano e 8 meses

Quer mais?

Nós, Paula Yamamura e Ramon Quevedo, estamos curtindo uma vida sabática desde 2017, focando no que mais gostamos de fazer: viajar trilhando.

Nos acompanhe também em:

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.