Argentina, Neuquén

CAJÓN NEGRO e CERRO BELVEDERE – trilha pesada em Villa La Angostura

Em nosso primeiro mês da Exploração Argentina 18/19, pegamos uma van coletiva para sair da Villa Traful e voltar à Villa La Angostura.

Em Angostura queríamos atingir o cume do Cerro Belvedere passando pelo Cajón Negro.

O cerro Belvedere fica em um dos primeiros parques nacionais criados da Argentina, o gigante Parque Nacional Nahuel Huapi.

O Parque Nacional Nahuel Huapi está localizado a noroeste da Patagônia. Os 710.000 hectares que compõem seu território estão localizados nas províncias Neuquén e Río Negro, e em cidades como San Carlos de Bariloche, Dina Huapi, Villa Traful e Villa La Angostura.

Como chegamos

Da Villa Traful, onde estávamos, fomos de van até a Villa La Angostura.

Esta van foi o único transporte que vimos saindo de Traful e chegando em Angostura. E estava disponível de 2a a 6a feira, saindo às 19 horas, com aproximadamente 1 ½ hora de viagem.

Resumo do trekking

  • País: Argentina
  • Cidade: Villa La Angostura
  • Início: Villa La Angostura
  • Fim: Villa La Angostura
  • Distância total: 23 km
  • Duração: 1 dia
  • Subida acumulada: 1573 metros
  • Descida acumulada: 1576 metros
  • Altitude máxima: 1864 metros
  • Mapa da trilha: Wikiloc
  • Período do trekking: final de dezembro de 2018
  • Dificuldade:Moderada Pesada.

Seguem mapa e elevação do trekking:

Trilha

Do camping Unquehue, onde estávamos quase no centro da Villa La Angostura, ao início da trilha são aproximadamente 2 km, que percorremos a pé.

O desnível de todo o percurso é de quase 1500 metros. Logo nos primeiros passos, já sentimos o que viria pela frente.

Toda a trilha está no MapsMe. Há várias opções para chegar ao cume do Belvedere, mas o melhor é ir pela trilha Filo Falso Belvedere, que é a opção com mais paisagens.

Tudo começa dentro de um bosque, mas logo surge a vista para os lagos Correntoso e Nahuel Huapi, no lado esquerdo.

A subida bem empinada vai até uma bifurcação, onde continuando a subida chega-se no mirante Filo Falso Belvedere, e para direita, a trilha segue para Cajón Negro e cume Belvedere.

Deixamos o mirante para depois e seguimos rumo ao cume.

Entramos no bosque e a subida deu uma trégua, até encontramos o riacho Las Piedritas. Nos abastecemos de água e subimos até o Cajón Negro, que é um lindo vale cercado pelos morros Inacayal e Belvedere, e banhado pelo riacho Las Piedritas.

Caminhamos pela área plana do vale e seguimos adiante, pois queríamos alcançar o cume do Belvedere.

Por toda a trilha, desde o começo, seguimos as marcações vermelhas que nos levaram até o Cajón Negro. E continuamos seguindo os pontos vermelhos para alcançarmos o cume. Quando faltava 1 km para o cume, a subida ficou mais empinada e mais cansativa. Conforme andávamos ficávamos mais longe do cume e chegamos à conclusão que aquelas marcações vermelhas não nos levariam para o topo da montanha.

Tentamos ir em direção ao cume, andando sobre algumas grandes pedras, e chegamos em uma grande rocha ao lado do cume. Percebendo que não teríamos tempo e disposição, desistimos do pico Belvedere e nos contentamos com a belíssima paisagem que vimos no ‘quase cume’.

Retornando na trilha encontramos o ponto onde erramos. Quando estávamos cerca de 900 metros do cume, havia uma tímida bifurcação, onde pequenos pontos vermelhos subiam em direção ao topo, enquanto que pontos vermelhos bem maiores, nos levaram para o caminho errado. Deixamos o cume para a próxima, isso se tiver uma próxima…

Na volta passamos pelo mirante Filo Falso Belvedere. Foi um dos desvios mais inclinados que fizemos. Mas a vista de cima vale muito a pena.

Vimos vários lugares para acampar, alguns muito interessantes, como no Cajón Negro, ao lado do riacho Las Piedritas, e no Filo Falso Belvedere, que dependendo da época terá neve para derreter. Super recomendamos acampar nestes lugares, para quem estiver disposto em carregar a mochila ladeira acima.

Se quiser assistir como foi a trilha, veja em nosso canal do YouTube:

Dicas

  • Comece a trilha o mais cedo possível, para evitar o forte Sol.
  • Se tiver, leve seu bastão de trekking. Esquecemos os nossos e fizeram muita falta.
  • É obrigatório o registro para fazer as trilhas no Parque Nacional Nahuel Huapi, apesar de não virmos nenhum controle e fiscalização. O registro é fácil e rápido, e pode ser feito online, no site do próprio parque.

Custos

Até este momento de nossa Exploração Argentina 18/19, gastamos uma média individual de R$ 99 por dia.

Seguem alguns custos em pesos argentinos (ARS) e equivalentes em reais (BRL), conforme o câmbio que fizemos.

  • Van coletiva, de Villa Traful à Villa La Angostura, individual: $ARS 215 ($BRL 24)
  • Camping Unquehue, na Villa La Angostura, diária individual: $ARS 300 ($BRL 34)

Cotação comercial em 22/12/2018:
$USD 1,00 = $BRL 3,90 = $ARS 37,93

Dados sabáticos

2030 km trilhados
58 cidades
1 ano e 6 meses
4 países

Quer mais?

Nós, Paula Yamamura e Ramon Quevedo, estamos curtindo uma vida sabática desde 2017, focando no que mais gostamos de fazer: viajar trilhando.

Nos acompanhe também em:

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s