Brasil, Nordeste

MORRO BRANCO – caminhando 41 km desde Parajuru, no litoral leste do Ceará

O Ceará é um dos estados brasileiros de maior costa litorânea, com 534 km de extensão. Suas praias são divididas em duas regiões: litoral leste e oeste.

O litoral leste, também conhecido como costa do Sol nascente, é marcado por enormes falésias, com uma dose tímida de dunas e com grandiosos parques eólicos. Fomos conhecer um pouco deste destino.

Depois de caminhar por Canoa Quebrada, fizemos nossa segunda travessia para conhecer outro famoso destino cearense: Morro Branco.

Como chegamos

Estávamos em Pontal de Maceió, quando decidimos fazer uma travessia para conhecer Morro Branco.

Saímos da vila de Pontal de Maceió, e com um transfer de van fomos até Fortim, onde pegamos um ônibus até Parajuru, o início de nossa travessia.

Resumo da travessia

  • País: Brasil
  • Cidades próximas: Aracati, Fortim, Beberibe, Cascavel (Ceará)
  • Início: Parajuru
  • Fim: Morro Branco
  • Distância total: 41 km
  • Duração: 4 dias
  • Subida acumulada: 632 metros
  • Descida acumulada: 568 metros
  • Altitude máxima: 82 metros
  • Mapa da trilha: Wikiloc
  • Período do trekking: final de junho de 2018
  • Dificuldade: Leve Moderada

Segue mapa da travessia:

Roteiro

Fizemos a travessia em 3 noites e 4 dias, como segue:

  1. Parajuru à prainha do Canto Verde
  2. prainha do Canto Verde à Barra da Sucatinga
  3. Barra da Sucatinga à praia das Fontes
  4. praia das Fontes ao Morro Branco

dia 1: Parajuru – prainha do Canto Verde

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade
11 km
2h40min
133 metros
142 metros
17 metros
Leve Moderada

Também passamos por:

  • Parque Eólico de Parajuru

A praia de Parajuru tem uma areia fofa, mas quando molhada pelo mar, fica razoavelmente firme. Caminhamos próximos ao mar até chegarmos em duas casas que nos obrigaram a desviá-las. As casas praticamente invadiram o mar, ou foi o mar que invadiram as casas?

Casas desviadas, e continuamos no caminho. No horizonte avistamos o Parque Eólico de Parajuru e conforme caminhávamos, as hélices se agigantavam.

LRM_EXPORT_20180702_133906

Assim que nos aproximamos do primeiro eólico, um segurança chegou de moto. Curioso com nossas mochilas, nos explicou que uma função dele é proteger os eólicos de vândalos. Muitos querem gravar seu nome por lá. Algumas hélices estavam no chão aguardando a manutenção de seus motores.

LRM_EXPORT_20180702_134007

Mais alguns quilômetros e chegamos na prainha do Canto Verde. Nos hospedamos no quarto bem ventilado da pousada Sol e Mar. Parecia tudo ótimo, até que a bomba que leva a água para o quarto quebrou… Azar…

À tarde, fomos tentar conhecer a lagoa Córrego de Sal, ela fica a aproximadamente 2,5 km da prainha do Canto Verde. Tentamos cortar caminho pela duna que a cerca e não conseguimos chegar. A dica é tentar seguir o caminho que está no MapsMe. Mais longo, mas talvez teríamos chegado na lagoa.

Veja como foi esse dia no vídeo abaixo:

dia 2: prainha do Canto Verde – Barra da Sucatinga

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade
13 km
3h20min
182 metros
163 metros
29 metros
Leve Moderada

A prainha do Canto Verde tem uma areia fofa, mas com certa firmeza próximo ao mar. Caminhamos quase todo o percurso com a mesma paisagem: mar no lado direito e areia no lado esquerdo. Tímidas dunas e falésias apareciam de vez em quando. Com o Sol brilhando cada vez mais, a sensação era de estarmos andando no deserto.

LRM_EXPORT_20180702_133956

Na metade do caminho passamos por um minúsculo vilarejo de pescadores. Aproximadamente 3 km distantes do mar há a lagoa de Dentro.

Para nossa diversão, um pouco antes de chegarmos na Barra de Sucatinga, uma falésia se apoderou da paisagem. E para nossa surpresa, água doce escorria da formação rochosa.

LRM_EXPORT_20180702_134045

Bem ao lado da falésia, moradores da Barra de Sucatinga coletavam a água doce para uso doméstico.

Na Barra tratamos de procurar uma pousada que aceitasse cartão de crédito. Nosso dinheiro físico estava acabando. Ficamos na pousada da Barra. Foi uma exclusividade. Só havia nós.

Veja como foi esse dia no vídeo abaixo:

dia 3: Barra da Sucatinga – praia das Fontes

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade
12 km
3h15min
170 metros
167 metros
25 metros
Leve Moderada

Também passamos por:

  • praia de Uruaú

Era lua cheia e quando saímos para caminhar a maré estava alta. E por isso tivemos que andar em areia fofa por mais da metade do trajeto.

Passamos pela praia de Uruaú e o córrego dos Grossos. Um hotel a beira-mar conseguiu transformar parte do córrego em uma pequena lagoa. Mais para dentro fica a lagoa Uruaú, um ponto turístico frequentado pelos bugueiros e seus clientes.

LRM_EXPORT_20180702_134101

No caminho, curiosas fontes de água doce para diversão de quem passa: fonte da juventude e fonte dos carecas.

Um pouco antes de chegar à praia das Fontes, há uma gruta que virou atração turística na região. Como a maré estava muito alta, não conseguimos ver a gruta no primeiro momento.

Chegamos à praia das Fontes e ficamos no primeiro lugar que vimos, o Hotel das Falésias. A diária era um pouco mais cara que o habitual, R$ 150,00, mas com uma piscina generosa. Atrás do hotel, as gigantes hélices de um parque eólico dominavam o horizonte.

Por volta das 11 horas, com a maré baixa, fomos conhecer a tal da gruta. Turismo em massa no local, cheio de buggies e ambulantes. O lugar até que era interessante, mas com tanta gente no local ficamos desinteressados em registrar.

Veja como foi esse dia no vídeo abaixo:

dia 4: praia das Fontes – Morro Branco

Total percorrido
Tempo sem paradas
Subida
Descida
Altitude máxima
Dificuldade
5 km
1h30min
147 metros
96 metros
82 metros
Leve

Saímos um pouco mais tarde, na esperança que a maré estivesse mais baixa. Mas em frente ao hotel, o mar dominava a área. Seguimos por trás, pelo vilarejo, e logo saímos na praia para continuar nossa jornada.

No caminho um espelho d’água, em frente a uma falésia, nos surpreendeu.

LRM_EXPORT_20180702_134147

Morro Branco estava bem perto de lá e em pouco tempo chegamos na sua principal atração: o labirinto de falésias. O labirinto é uma imensa falésia com corredores em seu meio, ligando a praia à vila.

A partir deste ponto caminhamos no labirinto até a vila.

LRM_EXPORT_20180702_134221

Veja como foi esse dia no vídeo abaixo:

Dicas

  • Comece a caminhar bem cedo. O ideal é dar os primeiros passos 30 minutos antes do nascer do Sol.
  • Use repelente, principalmente para dormir. O ataque de mosquitos é quase certo.
  • Em geral, vimos somente Banco do Brasil, Caixa e Bradesco. Se não tiver conta nestes bancos, considere levar mais dinheiro para a viagem.
  • Leve dinheiro físico. Alguns lugares não aceitam cartão.
  • Evite caminhar descalço. Em alguns momentos vimos alguns cacos de vidro na areia.

Custos

Seguem alguns custos em reais (BRL).

  • Hospedagem em pousadas simples, média diária casal: $BRL 94,00
  • Hotel das Falésias, praia das Fontes, diária casal: $BRL 150,00
  • Ônibus de Morro Branco a Fortaleza, individual: $BRL 25,00

Cotação em 26/06/2018:
$USD 1,00 = $BRL 3,76

Dados sabáticos

1652 km trilhados
149 noites acampando
43 cidades
12 meses
4 países

Quer mais?

Nós, Paula Yamamura e Ramon Quevedo, estamos curtindo uma vida sabática, focando no que mais gostamos de fazer: viajar trilhando.

Nos acompanhe também em:

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s